Cartilha orienta para redução do consumo e do desperdício de água no comércio


Cartilha orienta para redução do consumo e do desperdício de água no comércio

 

Os Destaques referem-se a notícias, eventos, cursos e informações diversas sobre saneamento ambiental pesquisados na Internet. SaneamentoWeb colabora na divulgação e não se responsabiliza por programações, datas, locais, dados, conteúdo e demais informações pertinentes. Interessados devem certificar as informações diretamente com as fontes citadas.

 

Fonte: www.sustentabilidade.org.br/conteudos_sust.asp?scateg=267, extraído em 08/06/2012, às 07:51 hs.

 

Objetivo é sensibilizar funcionários para uma postura racional de consumo de água também em sua casa.

 

A Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), associado benemérito do Instituto Akatu, lançou a cartilha “Uso Racional de Água no Comércio”. O documento foi elaborado com o apoio técnico da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), em ação do Programa de Uso Racional de Água (Pura).

 

A cartilha apresenta um conjunto de soluções para consumo eficiente da água, como detecção e reparo de vazamentos, troca de equipamentos convencionais por equipamentos economizadores, estudos para reaproveitamento da água e palestras educativas. No evento que marcou o lançamento da publicação, as opiniões foram unânimes: a conscientização dos consumidores para o uso racional de água deve ser ampliada nas empresas como ação específica de redução de gastos, mas também como canal para estender a cultura do consumo eficiente às famílias dos funcionários. “Essa foi a nossa aposta quando pensamos em criar a cartilha”, afirmou Orestes Gonçalves, coordenador do Pura na Universidade de São Paulo.

 

Experiência dá certo na universidade

Na USP, em 10 anos de aplicação do Pura, a redução do consumo de água foi na ordem dos 43%. Em 2008, foram gastos R$ 21,8 milhões com a conta de água. Se o Pura não tivesse sido implementado, estima-se que os gastos teriam alcançado R$ 37,6 milhões. “A experiência mostrou que, quando o funcionário tem consciência dos benefícios das metas de redução traçadas, tende a procurar o mesmo resultado em casa”, declarou Orestes Gonçalves. “Mas para atingir esse objetivo, é fundamental o investimento em tecnologias e programas específicos de gestão dos recursos, envolvendo toda a comunidade”, alertou.

 

Para Gesner Oliveira, então presidente da Sabesp, nada do que a empresa fizer terá efeito se a sociedade não se conscientizar sobre a questão ambiental que vivemos. “Nosso produto não é a água, é inteligência para uso eficiente da água. Não temos como induzir o consumo em busca de retorno financeiro por uma razão muito simples: não tem água". Dados da Sabesp indicam que a região metropolitana de São Paulo tem disponibilidade hídrica de 200 m³/habitante por ano, o que representa um décimo do valor indicado pela Organização das Nações Unidas. Disponibilidade hídrica é a quantidade de água disponível por habitante em determinada região para todas as atividades econômicas, como abastecimento da população e uso pela indústria, pela agricultura e pelo comércio.

 

Orestes Gonçalves destacou também a importância das palestras educativas no processo de implementação desses programas. “O avanço da tecnologia demanda também atenção para o comportamento do ser humano. As empresas devem fazer avaliações permanentes para traçar o perfil de consumo e, com essas informações, usar as novas tecnologias”, afirma Gonçalves.

 

Clique aqui para conferir as dicas sugeridas pela cartilha

 

Ver em: http://www.sustentabilidade.org.br/conteudos_sust.asp?scateg=267

 

Postado em 09/06/2012 às 07:18 hs.

 

AnexoTamanho
economia de agua no comercio.pdf730.32 KB