5th Urbenviron (V Seminário Internacional em Planejamento e Gestão Ambiental)


Informações pesquisadas na internet. SaneamentoWeb colabora na difusão e não se responsabiliza pela programação, datas, locais de realização, conteúdo e demais informações pertinentes ao evento. Interessados devem certificar as informações diretamente com a entidade promotora.

 

Fonte: www.fau.unb.br, extraído em 30/06/2012 às 14:13 hs.

 

Data: 18 a 20 de outubro de 2012

 

Local: Câmara Legislativa do Distrito Federal, na Praça Municipal, no Eixo Monumental de Brasília

 

Organização: Faculdade de Arquitetura da UnB e Urbanismo e da Associação URBENVIRON

 

“Soluções Urbanas para as Mudanças Climáticas”

 

A Faculdade de Arquitetura da Universidade de Brasília e a Associação Urbenviron , convidam a participar do 5th Seminário Internacional Urbenviron 2012 Soluções Urbanas para as Mudanças Climáticas que ocorrera em Brasília – Brasil, entre os dias 18 a 20 de outubro. Confira os sites site www.urbenviron.org e www.fau.unb.br.

 

Os Seminários Internacionais são uma das atividades estratégicas da Associação Internacional Urbenviron para o Planejamento e Gestão Ambiental (www.urbenviron.org), e reune cientistas, acadêmicos, planejadores, legisladores, estudantes e cidadãos em geral sobre o conhecimento, a produção e a troca de informações e experiências sobre um determinado tema, antes de cada Congresso bienal.

 

Em consonância com o V Congresso Internacional Urbenviron, que ocorrerá na Flórida, EUA, 2013, esse 5o Seminário Internacional de Planejamento e Gestão Ambiental - Urbenviron Brasília 2012 – focará o tema “Soluções Urbanas para as Mudanças Climáticas”.

 

Este Seminário é patrocinado pela Universidade de Brasília, sob a organização da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e da Associação URBENVIRON, e acontecerá em Brasília, Brazil; na Câmara Legislativa do Distrito Federal, entre os dias 18 a 20 de Outubro de 2012.

 

Contexto do Evento

 

O seminário possui como tema central de discussão os impactos da mudança climática sobre o espaço urbano e as necessárias adaptações e prevenções de forma a produzir subsídios que contribuam para a formulação de políticas públicas e ações para seu enfrentamento.

 

O Relatório Cities and Climate Change: Global Report on Human Settlements 2011, produzido pelo UN-Habitat/ONU em 2011, alerta para o protagonismo das cidades nas discussões sobre o tema. Se os cálculos das emissões de gases do efeito estufa das cidades englobarem processos como o consumo e geração de energia, os transportes e a produção industrial, as áreas urbanas despontam como responsáveis por 70% das emissões, sendo que ocupam apenas 2% do território do planeta.

 

No campo das consequências das mudanças climáticas as projeções indicam uma tendência de maior ocorrência de extremos climáticos e de eventos intensos como secas, veranicos, vendavais, tempestades, inundações, etc., em um planeta cada vez mais quente. A ocorrência destes fenômenos e suas graves conseqüências sobre as cidades brasileiras nos últimos anos ilustram bem a necessidade de uma estratégia de adaptação do espaço urbano.

É tão importante entender as causas associadas aos processos físico-químicos e os impactos das mudanças climáticas sobre o meio biofísico, quanto a partir da perspectiva das suas dimensões sociais. Afinal, não se trata apenas de uma questão ecológica, pois grande parte das conseqüências possuem impactos diretos nos modos de vida e nos padrões de consumo da sociedade moderna. Diversos países e regiões sofrerão com as mudanças ambientais, as quais poderão causar gradativamente processos que condicionarão mudanças sociais, políticas e econômicas de extrema importância para o futuro das cidades.

 

Estas mudanças vão requerer ações para adaptar os sistemas de abastecimento de água, uso e ocupação do solo, assim como os sistemas de drenagem (no caso de aumento de intensidade e freqüência de enchentes). Por outro lado, repensar os padrões de transportes, geração e distribuição de energia e disposição de resíduos para reduzir emissões de carbono, se apresentam como essencial, no que se refere as prevenções.

 

O desafio não é de ordem apenas tecnológica, mas também de natureza social, institucional e política. Assim, a regulação de uso do solo e dos serviços urbanos, a disseminação de informação e mobilização da sociedade civil e o fortalecimento das instituições públicas são algumas das questões que fazem parte do arcabouço teórico e metodológico para enfrentar as mudanças climáticas.

 

O seminário organizado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, em conjunto com o Urbenviron, inclui uma Conferência de abertura e mesas redondas compostas por especialistas de diferentes áreas do conhecimento afetas aos sub-temas do Seminário, que visam pautar as discussões no âmbito das sessões temáticas.

 

Temas do Seminário

 

1. GOVERNANÇA AMBIENTAL E POLÍTICAS PÚBLICAS

Marco reculatório;

Planejamento territorial como instrumento da governança das cidades;

Gestão de riscos e desastres;

Capacitação das autoridades locais e das organizações da sociedade civil;

Parcerias entre o governo, sociedade e setor produtivo;

Disseminação das informações entre os diferentes atores sociais;

Experiências exitosas.

 

2. TERRITÓRIO, MOBILIDADE URBANA E TRANSPORTE

Sistemas de transporte urbano sustentáveis;

Modelos e instrumentos para o planejamento, desenho e operação dos transportes urbanos;

Experiências exitosas.

 

3. PLANEJAMENTO URBANO PARA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: Prevenção, Adaptação e Mitigação

Planejamento do uso do solo como prevenção dos eventos climáticos extremos;

Adaptação e mitigação dos desasres naturais;

Urbanização sustentável: conceitos e propostas;

Padrões e códigos para bairros sustentáveis;

Métodos de planejamento ambiental e avaliação estratégica de impactos ambientais.

 

4. INFRAESTRUTURA URBANA SUSTENTÁVEL: Abastecimento, Esgotamento Sanitário, Energia e Resíduos Sólidos

Infraestrutura sustentável: Tecnologias ambientais sustentáveis ou eco-tecnologias;

Métodos inovadores de infraestrutura para adaptação às mudanças climáticas;

Planejamento Ambiental de Saneamento local e regional;

Tratamento de águas residuais urbanas: disposição, reuso e gestão do lodo;

Gestão dos Resíduos Sólidos: tratamento, disposição, reciclagem, reuso e recuperação;

Eficiência energética, energias renováveis e requisitos para as mudanças do clima;

Drenagem urbana;

Contaminação do solo e áreas degradadas;

Experiências exitosas.

 

5. GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

Gestão das bacias hidrográficas e planejamento territorial;

Abastecimento, tratamento e distribuição de água;

Marco Regulatório;

Políticas e estudos de avaliação;

Experiências exitosas.

 

Postado em 30/06/2012 às 15:16 hs.